terça-feira, 29 de março de 2011

Avental


Quando o amor bateu na minha porta,
eu o recebi apaixonadamente.
Preparou um café atraente que
bebi com sede virginal.
Montou bolinhos que morderam
meu amor próprio e o fizeram
alheio.
Me pôs para dormir sem deitar,
para sonhar sem dormir.

...

A liberdade despiu-se em despertador para me acordar.
Fez um café sem gosto de monotonia
e bolinhos safados.
Abandonei o amor com meu amor próprio.
E vivo atrás de amores que não usam avental.

2 comentários: